Algumas ótimas versões do Hot Tracks…

HotTracks

Em dezembro de 1981, em São Francisco, Steve Algozino e Ross Lopez começaram o serviço de remix Hot Tracks. No início, eles produziram remixes exclusivos para deejays de boates e clubes noturnos.

Em janeiro de 1982 eles lançaram seu primeiro disco. Quando Steve Algozino adoeceu em setembro de 1985, Cameron Paul assumiu seu lugar como produtor. Ele morreu em agosto de 1986, quando então sua mãe Anne Medice e seu irmão Scott Cox assumiram o serviço.

Michael Lewis substituiu Cameron Paul como produtor, mas veio a falecer em agosto de 1988. Steve Bourosa se tornou o próximo produtor, mas só ficou alguns meses porque começou seu próprio serviço, o Rhythm Stick.

Em 1989, o Hot Tracks mudou-se de São Francisco para Las Vegas e Chris Cox foi o novo produtor a partir de então. Dois anos depois, eles se mudaram para Tulsa, quando todos os lançamentos ficaram disponíveis em vinil e CD.

O Hot Tracks despontou para o mundo em 1982 e é um dos mais longos serviços de remix em atividade no mundo. Assim como o Street Tracks ou o DMC, o Hot Tracks é referenciado e colecionado por DJ’s em todo o planeta. Seu primeiro single lançado continha versões para canções de Lisa, Night Force, Yoko Ono e Carol Jiani. No segundo single apareceu a versão para PHYSICAL de Olivia Newton-John – que está nesse set que vamos curtir aqui no blog.

Com o advento da Internet, muita gente se aproveitou pra criar versões e ‘assinar’ como se fosse um autêntico Hot Tracks. Algumas até são boas… outras nem tanto…

Já faz alguns bons anos que tenho pensado num set pra postar aqui no blog só com coisas boas e originais do pessoal do Hot Tracks. Então, vamos fazer isso nesse sabadão. Nosso especial contém algumas versões que se tornaram raras em vinil, como a remix de Tina Turner, além de outras difíceis de achar até mesmo no bom e velho mp3. O curioso é que logo que o Napster e o Audiogalaxy viraram plataformas pra baixar músicas, as trilhas do Hot Tracks eram uma das mais procuradas e disponibilizadas. Aliás, existem versões que só o pessoal do serviço remixou. Mágico…

A sequência tem algumas das famosas e deliciosas versões artesanais do serviço. Coisas de um tempo em que muitas gravadoras ainda não tinham a noção exata de quanta gente estava ficando viciada com versões remixadas de sucessos do rádio. São pouco mais de quarenta e seis minutinhos pra dar um tempero bom nesse final de semana.

Lembrando que os arquivos para download estão disponibilizados no formato .zip, mas dentro conterá um outro arquivo com a extensão .doc… então, depois de baixar e extrair, não esqueça de trocar a extensão .doc pela extensão .mp3 pra poder ouvir os módulos.

ALGUMAS COISAS BOAS DO HOT TRACKS

Sexta-feira com quatro charmes mixados…

20210406_161031

Vamos curtir nessa fina sexta-feira quatro ótimas recordações dos tempos da Mundial AM do Rio de Janeiro e o Ritmos de Boate! Pelos comentários que aparecem aqui no blog, fica claro que muita gente aproveitou esse preciosíssimo programa de rádio. E hoje vamos postar um set com quatro canções que estiveram no list do programa.

Pronto pra quase vinte e dois minutinhos de puro rhythm & blues de Nova Iorque? Então vamos voltar pras lembranças da oito, meia, zero, Mundial… música em sua vida! Enjoy!

Lembrando que os arquivos estão disponibilizados no formato .zip, mas dentro conterá um outro arquivo com a extensão .doc… então, depois de baixar e extrair, não esqueça de trocar a extensão .doc pela extensão .mp3 pra poder ouvir os módulos.

QUATRO CHARMES MIXADOS

Quarta-feira no blog com quatro lindas canções de cada uma das carreiras solo dos Beatles!

4Liverpool

Os Beatles sempre influenciaram muito meu gosto musical. Sua musicalidade cresceu e melhorou muito ao longo de seus anos de carreira. E o quê mais me fascina na trajetória do grupo é como o tempo só faz suas canções melhorarem…

Tenho toda a discografia do grupo, além dos principais discos de Paul McCartney, John Lennon e George Harrisson. E aí surge outro detalhe incrível: os quatro, isoladamente, também produziram músicas deliciosas.

Nesta sexta-feira meio chuvosa, meio ensolarada, aqui em Aracaju, resolvi trazer uma sequência de quatro lindas canções de cada um dos integrantes dos Beatles, em suas carreiras solo. São simples e belas produções dos quatro de Liverpool, numa referência à uma época brilhante em influência como foi a beatlemania.

Abrindo, uma balada muito bonita de Ringo Starr chamada WRONG ALL THE TIME, de seu disco de 2005. Esta é uma música que adoro pela leveza e simplicidade de seu arranjo. Piano, bateria e a voz deliciosamente canastronas de Ringo. Uma pérola que toca muito lá em casa. O refrão diz ‘i’m the same man that i was, now all you see are my mistakes, all i want to give is love, but the way that we are make my hearts break’

Seguindo, uma das mais lindas canções já feitas por um ser humano… E que bom que esse ser humano foi George Harrisson! LOVE COMES TO EVERYONE é um hino pra mim… um hino ao amor e à paixão que temos por encontrar a pessoa certa. Sou apaixonado por essa preciosidade. Existe uma versão em português, gravada por Zizi Possi, que também é linda. Adoro a guitarra, o teclado e o vocal terrivelmente apaixonado de George. Perfeita e muito sentimental. Obrigatória…

A penúltima é WATCHING THE WHEELS com John Lennon. Eu particularmente gosto de produção de Lennon dos anos 70. São músicas repletas de teclados e vocais muito intimistas de John. E são canções que fizeram sucesso e deram muito da cara que conhecemos daquela década. WATCHING THE WHEELS é mais uma de suas ótimas canções, produzida no melhor estilo do rock básico e com vocais muito bonitos de John.

Fechando, a linda e cravadíssima disco GOODNIGHT TONIGHT de Paul McCartney, só que na rara versão longa. Eu simplesmente sou vidrado no arranjo e no fascínio de ver um ex-Beatle fazendo música de boate setentista. É claro que nota-se a benéfica influência da musicalidade da banda nessa canção, mas é inebriante a variação do arranjo e passando por coisas do caribe e, claro, do rock. Uma de minhas prediletas…

Vamos com belas canções dos quatro de Liverpool, curtindo John, Paul, George e Ringo em melodias maravilhosas. Clique no link abaixo e curta!

Lembrando que os arquivos estão disponibilizados no formato .zip, mas dentro conterá um outro arquivo com a extensão .doc… então, depois de baixar e extrair, não esqueça de trocar a extensão .doc pela extensão .mp3 pra poder ouvir os módulos.

OS QUATRO DE LIVERPOOL

Recordando o Live From Daryl’s House… uma coletânea de pouco mais de meia hora pra relaxar!

O programa Live From Daryl’s House foi ao ar pela primeira vez em 15 de novembro de 2007. A concepção é muito interessante… Daryl Hall, da minha dupla favorita Hall & Oates, transmite de sua casa nos arredores de Nova Iorque, uma session com a participação de amigos e da sua banda.

Nestas deliciosas sessões, são tocadas versões acústicas de sucessos da dupla e dos convidados… tudo muito informal, divertida e descontraidamente. O resultado é um conjunto de versões muito gostosas de ouvir e com arranjos simples…

De todos os programas que foram ao ar, separei alguns dos seus melhores momentos num módulo de pouco mais de 33 minutinhos… vale muito a pena numa manhã de domingo como essa…

Abrindo, a apaixonante SARA SMILE, que fez muito sucesso em 1975 e foi lançada no disco da dupla conhecido como Silver Album. É uma das baladas mais tocantes pra mim e ainda é obrigatória em seus shows. Tem versões memoráveis nas apresentações de Daryl Hall & John Oates do início até a metade dos anos 80. A versão original é muito suave… quase uma canção de ninar… é uma de minhas favoritas e foi a música que deu nome à minha princesa Sarinha, que chega aos 11 anos no próximo dia 15…

Seguindo, temos uma canção do segundo álbum solo de Daryl, lançado em 1986 e chamado Three Hearts In The Happy Ending Machine. Uma das grandes sacadas desse tipo de projeto, como é o Live From Daryl’s House, é a oportunidade de resgatar canções que desmerecidamente não fizeram sucesso… WHAT’S GONNA HAPPEN TO US é uma música muito bonita que fechava o disco original. Era uma das que mais ouvia… ainda ouço bastante, ainda mais agora que aparece renovada. Esta versão ficou linda, mas ainda não consegue alcançar a incrível claustrofobia da original. Eu adoro…

A terceira dispensa maiores apresentações por se tratar de um dos grandes sucessos de 1983, apesar de ter sido lançada em fins de 82 no discaço H2O da dupla. ONE ON ONE é uma das grandes canções românticas de todos os tempos… e não importa a versão, a música é boa. O curioso é que nas apresentações ao vivo, Daryl e John tornam ela bem mais intimista que a original. Trata-se de uma canção especial pra gente viajar de volta ao tempo em que a música dizia muito mais do que diz hoje…

 EVERYTIME YOU GO AWAY, a antepenúltima desse especial, também não precisa de maiores detalhes. A versão original dessa belíssima música foi lançada no álbum Voices, da dupla, em 1980. Todavia seu maior sucesso foi alcançado na sensacional versão de Paul Young, em 1985. É outra canção que tem versões ao vivo muito vigorosas. Uma das melhores é a do álbum ao vivo que Hall & Oates lançaram em 1985, com a sofisticada participação de Eddie Kendricks e David Ruffin, dois dos integrantes originais dos Temptations. Nessa versão do Live From Daryl’s House temos a participação do rapper Travis McCoy que faz uma ótima incursão, dando um toque deliciosamente diferente, dando um ar bem mais jam session…

Quase fechando, outra clássica, também com a versão original lançada no disco Voices de 1980. KISS ON MY LIST é uma pérola que, cada vez que envelhece, parece melhorar ainda mais. Tenho lembranças muito nítidas de ouvir no rádio e vibrar com a energia que essa canção passava. Um arranjo com harmonia nova pra aqueles tempos. Era apaixonante ouvir ‘because your kiss is on my list of the best things of life’. Ingênuo e muito bonito… nesta versão temos a participação da cantora inglesa KT Tunstall, que dá um ar deliciosamente country aos vocais. É outra das canções mais belas que um ser humano produziu… e mais sorte teve quem pode curtir na época. Inesquecível!

A última desse set fazia qualquer pista de dança passar mal em 1984. Lançada no imbatível disco Big Bam Boom, OUT OF TOUCH tem remixes ótimas feitas por Arthur Baker, como também grandes versões ao vivo. Uma de minhas favoritas é a do show de reabertura da Estátua da Liberdade em 4 de julho de 1985. Aqui também a ótima participação de KT Tunstall. É incrível o astral da melodia dessa música e como ela parece não envelhecer. E ainda tem um dos melhores videoclips que conheço. Fechamos com estilo. Agora, pra baixar, basta clicar no link abaixo!

Lembrando que os arquivos estão disponibilizados no formato .zip, mas dentro conterá um outro arquivo com a extensão .doc… então, depois de baixar e extrair, não esqueça de trocar a extensão .doc pela extensão .mp3 pra poder ouvir os módulos.

ESPECIAL LIVE FROM DARYL’S HOUSE

Nessa quinta-feira, vou republicar a primeira Big Hour, publicada em 2008, com 60 minutinhos de preciosidades musicais!

20210406_155408

Sempre curti muito chegar em casa, do trabalho, e me servir de músicas… e nesse ano diferente isso é ainda mais necessário! Nessa segunda quinta-feira de abril, vou postar minha primeira Big Hour publicada nesse nosso refúgio da boa música…

Lembro que construía esses sets tocando tudo aquilo que me dava vontade de ouvir… lentas, charmes, rocks, baladas, nacionais, etc. Espero que vocês apreciem, pois eram (e ainda são) feitas ao vivo, na munheca, com o feeling de segurar a próxima canção na pick-up, esperando a anterior acabar… bom demais!

O cardápio? Muitas surpresas… vão desfilar músicas que ainda ouço muito em casa…

Nessa primeira Big Hour postada lá nos primórdios do Blog tem LTD (de 1982), tem Elton John (de 1983), tem Hall & Oates (de 1982), tem Teddy Pendergrass (de 1980), tem Alexander O’Neal (de 1988), tem Azizi (de 1992), tem Cool Down Zone (de 1991), tem Swing Out Sister (de 1987), tem Fleetwood Mac (de 1983), tem Dayton (de 1980), tem Deniece Williams (de 1980) e tem Rah Band (de 1985)…

Canções inteirinhas pra lavar a alma e oxigenar o espírito… I hope you enjoy!

Lembrando que os arquivos estão disponibilizados no formato .zip, mas dentro conterá um outro arquivo com a extensão .doc… então, depois de baixar e extrair, não esqueça de trocar a extensão .doc pela extensão .mp3 pra poder ouvir os módulos.

A PRIMEIRA BIG HOUR DO BLOG

Baladas nacionais pra acolher na alma…

Primeira sexta-feira de abril… vamos de baladas nacionais. Todas lindas e com gente da melhor qualidade em três canções pra gente dar uma reduzida na marcha dessa semana.

Max Viana é o filho de uma lenda! O pai Djavan dispensa qualquer apresentação, e o filho tem ótimos trabalhos como CANÇÕES DE REI, que abre nosso set e foi lançada em seu disco de 2003, sendo também regravada numa levada soul, em 2016, pelo Sampa Crew. Trata-se de uma canção terna e de uma suavidade que lembra, e muito, as raízes paternas do cantor. Max tem tantas lindas gravações e, recentemente, regravou O MELHOR DA VIDA VAI COMEÇAR de Guilherme Arantes.

A faixa dois é com um timaço: Edmon, Roberto Alemão Marques, Marcos Ariel e Marco Bombom fazem uma produção limpa e linda pra QUERO SEU AMOR.

Fechando, uma das vozes femininas que é uma de minhas favoritas. Paula Lima encerra esses doze minutinhos especiais com MIL ESTRELAS. Atenção para os vocais em coro dessa música, além da letra…

Lembrando que os arquivos estão disponibilizados no formato .zip, mas dentro conterá um outro arquivo com a extensão .doc… então, depois de baixar e extrair, não esqueça de trocar a extensão .doc pela extensão .mp3 pra poder ouvir os módulos.

BELAS BALADAS NACIONAIS

Blog de volta pra temporada 2021… e vamos abrir com uma Big Hour com novidades e coisinhas mais antigas!

Voltamos pra dar mais uma alternativa de ouvir coisa boa… temporada 2021 sendo aberta com uma novidade legal: agora os arquivos serão disponibilizados com 320kbps de qualidade! E como todos os anos trazemos algumas repostagens mais antigas (afinal o blog tem quase 14 anos!), estas também vão ter seus arquivos em 320kbps pra revitalizar. Ah! E as fotos que seguem nas postagens… agora serão fotos pessoais. Assim fica melhor pra curtir…

Uma dica: os arquivos serão disponibilizados no formato .zip, mas dentro conterá um outro arquivo com a extensão .doc… então, depois de baixar e extrair, não esqueça de trocar a extensão .doc pela extensão .mp3 pra poder ouvir os módulos.

Vamos ao que interessa: música boa! Abrindo, vamos curtir um set de quase uma hora com coisas mais antigas, versões raras e novidades já de 2021. Tudo misturado…

Temos uma persupella pra SHE DRIVES ME CRAZY, que vem mixada com uma versão linda de ONE STEP do Kissing The Pink (que conheci como KTP). Lembro de descobrir esse grupo numa daquelas várias coletâneas da segunda metade dos anos 80. Eu acho os backing vocals de ONE STEP deliciosos e ainda conservando o gosto daqueles tempos.

Depois dessa virada de abertura, vem um dos maiores grupos de todos os tempos, o Simple Minds, com uma remix simplesmente belíssima de ALIVE AND KICKING. Ouçam com muito cuidado pois vai ser novidade pra muita gente. Essa é a versão de doze polegadas François Kevorkian que saiu na superdeluxe edition do álbum Once Upon A Time. Aliás, um discaço que ainda traz a clássica DON’T YOU FORGET ABOUT ME, traz a faixa título, traz SANCTIFIED YOURSEL, traz ALL THE THINGS SHE SAID (em várias versões). É sensacional essa versão do álbum.

RPM vem logo a seguir com uma instrumental que eu curti muito daquele disco ao vivo deles. NAJA é uma música de teclado e tem um arranjo muito simples, mas com muita energia. Quem viveu essa época, lembra bem do alvoroço que foi a chegada desse disco da banda, trazendo canções com qualidade sonora e harmônica, além das versões ao vivo dos sucessos. Por ser ao vivo, essa traz aquelas palminhas ao final, e que, nas fitinhas que gravava à época, eu curtia muito misturar com a faixa seguinte… nessa sequência, eu rememoro esse momento. Sempre achei legal as palmas batendo e entrando uma outra música… aqui vamos de uma versão remexida em 2020 de Frankie Fandango pra GIVE ME YOUR LOVE. Uma pitada de black music revigorada…

E nisso já vamos com meia hora de set… música boa faz o tempo melhor, mas faz passar rápido também.

Aí vem um dos grupos que mais emplaca sucessos na Coréia: o BTS é um dos grupos favoritos de Sarinha, minha filha. E atesto: o grupo é muito bom! Faz um pop recheado de influências dos anos 80 e da música harmônica das pistas dos anos 90. Vamos curtir uma outra versão de DYNAMITE – que estourou na parada americana recentemente e é boa demais. Por falar em Sarinha, já vou avisando: ela quer que eu faça uma sequência só com músicas que ela gosta pra publicar aqui no blog. Como abril é o mês dela, acho que semana que vem cumpro essa promessa, antes que ela tire a minha parte na herança!

Na sequência temos muitas outras coisas maravilhosas… tem Jody Watley, tem James Brown de 1991, tem uma lindíssima de Jeffrey Orborne (em mais um show nos vocais), tem a altamente influenciada pela música oitentista Dua Lipa (uma das outras favoritas de Sara), tem Pet Shop Boys e fecha com uma linda versão nova pra uma das clássicas do Jamiroquai… cardápio de primeira classe!

Bom sábado e bom final de semana… blog de volta pra dar mais um respiro pra esses tempos difíceis. Que bom que com a música tudo pode ser melhorado.

BIG HOUR PRA ABRIR 2021

Se eu tivesse uma FM Light…

Qual seria o estilo que você adotaria se tivesse uma FM? A minha seria ‘light‘… Tocaria muita coisa de charme, de soul, de música nacional boa, de lentas, grandes baladas, street music, música nova de qualidade…

Tocaria THE OTHER ME, que Paul McCartney lançou em 1984…

Tocaria N DEY SAY, que Kelly lançou em 2006…

Tocaria A BROKEN HEART CAN MEAND, que Alexander O’Neal lançou em 1986…

Tocaria WHEN YOU LOVE SOMEBODY, que Keith Washington lançou em 1992…

Tocaria a versão ‘Rogue Vogue Mix’ de TURN THE TIDE, que Johnny Hates Jazz lançou em 1986…

Tocaria STORY OF MY LIFE, que Frankie J lançou em 2006…

Tocaria a lindíssima THE END OF THE ROAD MEDLEY, que Gladys Knight lançou em 1994…

Como não tenho uma FM, fiz mais uma sequência de quase 36 minutinhos pra quem desejar baixar, incluindo todas essas pérolas que tocariam na minha rádio…

FM LIGHT DO BLOG

Big hour de lentinhas pra abrir o fim de semana relaxando…

heartsound

Abrir um final de semana recarregando as baterias com música lenta faz muito bem à saúde. E se for numa big hour especial? Melhor ainda…

Nessa hora especialíssima, vamos carregar nossas emoções com Cláudio Zoli cantando a clássica de Cassiano COLEÇÃO (numa versão linda), com DeBarge e a especial WHO’S HOLDING DONNA NOW (e seus vocais perfeitos), com Gal Costa e BABY (numa ótima e doce produção do Roupa Nova), com Deon Estus e HEAVEN HELP ME (com a sutil participação de George Michael), com Djavan e DOU NÃO DOU (numa letra muito bonita), com Whitney Houston e LOVER FOR LIFE (de longe, uma de suas interpretações mais inspiradas), com Lulu Santos e versão nova de 2003 pra MELÔ DO AMOR (uma de minhas favoritas nacionais de todos os tempos), com George Benson e GOT TO BE THERE (numa sensacional versão de guitarra), com Léo Jaime e ESSE BRILHO EM TEU OLHAR (uma das melhores composições de Lulu Santos), com Karyn White e SUPERWOMAN (clássica), com Brylho e NOITE DO PRAZER (mais que clássica), com Jules Shear e STEADY (com voais poderosíssimos de Shear e que tem Cyndi Lauper como uma das compositoras), com Ritchie e VÔO DE CORAÇÃO (uma balada que adoro desde a primeira vez que ouvi) e com Donald Fagen e I.G.Y. (que ainda hoje me impressiona de tão bela e é uma de minhas favoritas de todos os tempos).

Essa sequência foi gravada por mim em 1º de fevereiro de 2004 num CD pra ouvir no carro, mas ainda curto muito até hoje e queria compartilhar com vocês, distintos e assíduos frequentadores desse blog.

Pra acessar esse monte de harmonia boa, clique no link abaixo, faça o download, descomprima o arquivo e bom início de sexta-feira… Enjoy!

BIG HOUR DE LENTINHAS DO BLOG

Fechando nossos especais do Radio Flight, a décima segunda e última parte!

Radio Flight

Nesse último capítulo de especial, fechando o mês de novembro desse ano estranho, temos outras grandes maravilhas musicais… São 18 minutos e 41 segundos de canções lindas… A versão 1993 pra RAINFOREST, com Paul Hardcastle, aparece e faz a gente ir diretinho pra nossa máquina do tempo… Bom demais!

Com mais esta coletânea encerro essa série com melhores momentos do Radio Flight… Foram 12 blocos especiais… curtição de primeira linha e com muita lembrança boa, afinal, MÚSICA BOA NÃO TEM IDADE!

COLETÂNEA RADIO FLIGHT 12